Computação Europeia de Alto Desempenho (EuroHPC)

Empresa Comum
EuroHPC

O que é?

A Empresa Comum para a Computação Europeia de Alto Desempenho (EuroHPC) é uma entidade jurídica e de financiamento, criada em 2018 e localizada no Luxemburgo. Pretende liderar o caminho na supercomputação europeia. É uma iniciativa conjunta entre a União Europeia, países europeus e parceiros privados para desenvolver um ecossistema de classe mundial na Europa.

A EuroHPC permite à UE e aos países participantes coordenar esforços e reunir recursos para fazer da Europa um líder mundial em supercomputação. Isto impulsionará a excelência científica e a força industrial da Europa, apoiará a transformação digital da sua economia, assegurando ao mesmo tempo a sua soberania tecnológica. 

Parceria

Setor Público:

  • União Europeia (representada pela Comissão Europeia);
  • Estados-Membros e 3 países associados: Islândia, Noruega e Turquia.

Setor Privado:

  • Representantes da "European Technology Platform for High Performance Computing" (ETP4HPC);
  • Representantes da "Big Data Value Association" (BDVA);
  • Representantes da "European Quantum Industry Consortium" (QuIC).

Financiamento

A Empresa Comum tem um orçamento de cerca de 7 mil milhões de euros para o período 2021-2027. A maior parte deste financiamento provém do atual Quadro Financeiro Plurianual (QFP 2021-2027), com uma contribuição de 3 mil milhões de euros, distribuídos da seguinte forma:

  • 1,9 mil milhões de euros do Programa Europa Digital para apoiar a aquisição, implantação, modernização e funcionamento das infraestruturas de serviços de supercomputação;
  • 900 milhões de euros do Programa Horizonte Europa para apoiar atividades de investigação e inovação para o desenvolvimento de um ecossistema de supercomputação de classe mundial, competitivo e inovador em toda a Europa;
  • 200 milhões de euros do Mecanismo Interligar a Europa para melhorar a interconexão de computação de alto desempenho, computação quântica, "big data" e interconexão de dados europeus.

O restante financiamento (cerca de 4 mil milhões de euros) está a cargo dos parceiros privados. A Empresa Comum fornece apoio financeiro sob a forma de aquisições ou subvenções para investigação e inovação.

Estratégia

Benefícios para os cidadãos (Medicina): a supercomputação desempenha um papel fundamental na descoberta de novos medicamentos, terapias médicas e condições individuais dos doentes que sofrem de cancro, doenças cardiovasculares, de Alzheimer ou COVID-19.

Antecipar condições climáticas severas: pode fornecer simulações precisas prevendo a evolução dos padrões meteorológicos ou a dimensão e deslocação das tempestades e inundações.

Segurança, defesa e soberania nacionais: supercomputadores são utilizados para aumentar a luta contra a cibercriminalidade, em particular para a proteção de infraestruturas críticas.

Produtividade industrial: a supercomputação permite aos setores industriais como o automóvel, aeroespacial, energia renovável e saúde, inovar, tornarem-se mais produtivos e de maior valor acrescentado. Permite ainda reduzir o tempo de conceção de produtos e os ciclos de produção.

Vantagens para PME: a utilização de supercomputação torna mais fácil para as PME sem meios financeiros, investirem em competências internas para desenvolver e produzir melhores produtos e serviços.

Benefícios para a ciência: a supercomputação permite transformar e digitalizar a investigação científica aplicando-se numa multiplicidade de setores como a física fundamental (avançar as fronteiras do conhecimento da matéria ou explorar o universo), ciências materiais (conceber novos componentes para os setores farmacêutico ou energético) ou ciências da terra (modelar os fenómenos atmosféricos e oceânicos a nível planetário).

Objetivos

  • Desenvolver, implementar e ampliar uma infraestrutura de supercomputação e de dados na Europa que seja líder mundial
  • Construir máquinas «híbridas» que misturam o melhor das tecnologias quânticas e clássicas com os primeiros computadores quânticos de última geração até 2025
  • Apoiar o desenvolvimento de tecnologias e aplicações de supercomputação inovadoras e competitivas baseadas numa cadeia de fornecimento que reduzirá a dependência da Europa da tecnologia informática estrangeira
  • Encorajar sinergias com setores e mercados tecnológicos mais vastos, tais como veículos autónomos, "big data" ou inteligência artificial
  • Alargar a utilização de infraestruturas de computação a um grande número de utilizadores públicos e privados no continente europeu independentemente da localização geográfica
  • Apoiar o desenvolvimento de competências-chave de computação de alto desempenho, como educação e formação para a ciência e indústria europeias
  • Criar uma rede de Centros de Competência de computação de alto desempenho em cada Estado-Membro para facilitar o acesso às oportunidades europeias em diferentes setores industriais e fornecer soluções à medida de cada necessidade
  • Criar o primeiro programa pan-europeu de Mestrado em Computação de Alto Desempenho para o desenvolvimento de talentos nesta área de futuro na Europa.